Tecnologia no campo e na palma da mão

Empresa incubada de Lins trabalha em software que permitirá gerenciar, de um smarthphone, informações sobre o gado, em tempo real

Quem trabalha no campo sabe dos desafios enfrentados diariamente no manejo, no controle da engorda, na manutenção da saúde e na segurança do gado ou da plantação. O trabalho feito de forma errada é garantia de prejuízo na hora da comercialização do produto no mercado. Com o desenvolvimento da ciência, muito do esforço do homem do campo foi reduzido com a inclusão da tecnologia na hora de plantar, colher e gerenciar o gado de corte, favorecendo o controle do custo da produção. Em breve, uma nova tecnologia desenvolvida em Lins (interior de São Paulo) vai facilitar ainda mais a vida do pecuarista.
Tudo começou com a ideia de gerir uma propriedade rural a distância por meio de um sistema de coleta de dados no campo e gestão da propriedade com necessidade mínima de mão de obra. O objetivo da empresa CelecSys é inovar no processo de produção da pecuária de corte, focando em três pontos essenciais: segurança, produtividade e serviço.
“Desenvolvemos o protótipo da balança, da identificação de cada animal e transmissão dos dados coletados. Essas informações são armazenadas e processadas em um sistema ERP em fase de desenvolvimento. Uma pequena propriedade piloto de até 100 cabeças suporta o desenvolvimento do projeto. Trabalhamos com parceiros nas áreas de produção de brincos eletrônicos, sistemas RFID e produtores de sistemas de pesagem”, explica Wesley Canosa, um dos idealizadores da CelecSys.
Outro ponto que a empresa busca achar soluções é para a segurança, utilizando circuitos de vigilância e rastreamento para prevenir e combater o roubo de animais. “O Brasil é o país com o maior rebanho de gado no mundo, mas não é o maior produtor de carne. A ideia é utilizar os dados do monitoramento com pesagens diárias e efetuar estudos para aprimorar o processo de produtividade”, ressalta Wesley.
Com a aplicação deste sistema, o processo produtivo se torna mais eficaz e dinâmico. Com as informações, o pecuarista pode aprimorar o processo de engorda e valorização na venda, reduzindo custos, enquanto os frigoríficos terão acesso a todos os dados relacionados ao gado selecionado e à sua trafegabilidade. Este processo facilita a exportação e leva ao consumidor final um produto de qualidade com mais informações sobre a origem da carne.

Empreender é um desafio
Para qualquer empresário, começar um novo negócio é sempre um grande desafio. Saber contabilizar despesas, lucros, investimentos, pequeno quadro de colaboradores, carteira de clientes e a qualidade do produto pode ser muito mais difícil quando quem está à frente da empresa é um jovem empreendedor. Dados da pesquisa Demografia de Empresas, organizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística) no final de 2015, revela que das 694 mil empresas que nasceram em 2009 apenas 47,5% ainda estavam em funcionamento em 2013.
Cerca de 158 mil fecharam as portas no primeiro ano de atuação no segmento. Uma das maneiras que contribuem para a mitigação da mortalidade empresarial é o processo de incubação da empresa. As incubadoras chegaram ao Brasil na década de 80 como escolas de empreendedorismo e podem responder diretamente pela redução do índice de mortalidade de empresas jovens. Nos modelos tradicionais de negócio, o índice de mortalidade nos primeiros anos de vida empresarial pode chegar a 70%. Quando comparado com empresas incubadas, este mesmo índice cai para 20%.
Há 15 anos, a Adetec (Agência de Desenvolvimento Econômico e Tecnológico) trabalha com a capacitação de jovens empreendedores, desde a discussão do negócio no qual pretendem investir até a formalização da empresa no mercado de negócio, passando antes pelo processo de incubação.
Os resultados obtidos evidenciam que o índice de mortalidade das empresas graduadas (que passaram por todo o processo de aprendizagem dentro das incubadoras) pela Adetec não passa de 10%. “A formação empresarial pela qual o empreendedor é submetido durante o processo de incubação torna o negócio mais consolidado e o proprietário mais maduro para enfrentar o mercado. Isso faz toda a diferença se compararmos, por exemplo, o potencial de resposta para uma crise econômica entre uma empresa graduada e outra constituída de forma tradicional”, explica o gerente de incubadora da Adetec, Flávio Anequini.
A CelecSys é uma das empresas incubadas nas dependências do órgão e recebe acompanhamento contínuo de profissionais especializados em gestão. Esses gestores monitoram toda a cadeia de produção para fixação de metas e consolidação de resultados. A empresa recebe treinamento e assessoramento permanente na área de marketing, inovação, contabilidade e noções de recursos humanos.